sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Retrato de Maria

Passado o Natal e as festividades a atirar para o calor da família, segue-se o tão festivo fim de ano. Desejado por muita gente o fim do ano simboliza passagem. Apanhando a boleia vem o espírito da esperança e da renovação. Hora de avaliar projectos, cimentar outros ou aniquilar mais outros. É o inicio de mais uma maratona de 365 dias. 

Assim juntam-se amigos, espumante, boa comida e musica para acolher o ano que chega.

Eu?...

Não sou tão receptiva à mudança, detesto alinhavar projectos só porque o ano está a iniciar, tecer etapas por obrigação, concluir o que ainda não me apetece largar. 
Também abro os braços à esperança mas não o faço de olhos fechados, não gosto de me desequilibrar.

Festejo porque também quero dar as boas vindas ao bebé que acaba de nascer mas...
Não consigo festejar por inteiro quanto estou a enterrar um amigo que viveu comigo 365 dias ( o ano que passou). 

Sou uma saudosista assumida. Confio mais no passado que no futuro, (o amanhã é relativo). As recordações que me fazem sorrir ao passado pertencem. O futuro poderá trazer-me mais, ou talvez não.

Agora que penso... choro sempre na passagem de ano, desde criança que o faço, devo concluir que choro pelo meu amigo que se foi. 






2 comentários:

  1. chegadas e partidas, a este nível, põem-me um bocadinho ansiosa. :)

    ResponderEliminar

Quem quiser pode ajudar a varrer... faça favor! : )